Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Daily Routine by Cristina Ferreira

.

.

Daily Routine by Cristina Ferreira

31
Jan18

Envelhecer... Começa no olhar...


Cristina Ferreira

 

óculos.jpg

 

 

É verdade que os anos vão passando.... É verdade que está escrito por aí que eu nasci em 1973, é verdade que eu hoje tenho 44 anos, é verdade que eu farei 45 anos em outubro. É verdade que certamente já vivi metade da minha vida... Mas é verdade também que nunca até hoje pensei que me pudesse acontecer a mim... É oficial: estou a envelhecer!

 

Olho para o espelho e não vejo cabelos brancos. É verdade que estão disfarçados pelas camadas e camadas de tinta loira que já uso há tantos e tantos anos que já nem recordo qual a cor natural dissimulada lá por baixo! Sim talvez eles espreitem e teimem em aparecer, mas enquanto os puder disfarçar, disfarçarei! Não pertenço aquele grupo de mulheres apologistas da cor natural cujos cabelos brancos sonham um dia exibir com orgulho... 

 

Olho para o espelho e à volta dos olhos e dos lábios já vejo umas linhas fininhas... Diariamente, de manhã e à noite, já há muitos anos e sem abrir exceção, sigo uma rígida rotina de cuidados faciais: desmaquilhar, anti-rugas e contorno de olhos. A rotina diária complemento-a com esporádicas esfoliações e máscaras... Sim uso e abuso do que estiver ao meu alcance para adiar o aparecimento de novas linhas! E sorrio... Sorrio muito pois dizem que se sorrirmos muito as rugas aparecem nos pontos certos e ao invés de enfear o rosto, continuarão a embelezá-lo!

 

Acreditava naquela expressão que quando começamos a envelhecer começamos a usar: "A idade não importa! O que importa é a mente! A mente não envelhece..." Nunca senti as minhas forças falharem... Cansada fisicamente só mesmo quando exagero no ginásio! Sou saudável, felizmente sempre fui... Nunca estou doente! Na brincadeira até costumo dizer que o Universo sabe que eu não posso ficar doente... Longe da família e com o ex-marido no estrangeiro quem tomaria conta dos meus meninos? 

 

Hoje percebo o quanto era absurdo e até presunçoso da minha parte, mas sempre pensei que enquanto eu recusasse envelhecer não envelheceria! Esta minha mania de ver o copo sempre meio cheio e de querer olhar sempre para o lado bom da vida!

 

Um dia, estranhamente as letras começaram a bailar nas folhas dos meus livros e para as parar e obrigar a ficar sossegadas eu comecei a ligeiramente afastar-me para trás! Inicialmente não percebi... Mas as dores de cabeça que lentamente chegaram depois não deixaram margem para dúvidas!

 

Segundo o médico ligeiramente idoso que me atendeu com um sorridente "Bem vinda ao grupo!" e que me presenteou com um belo discurso sobre a idade e a progressão da diminuição da visão, até aqui tive muita sorte! "Normalmente", explicou ele, "a visão começa a fraquejar aos 40 anos... Parabéns! Já está 4 anos atrasada!" Bem ganhei 4 anos, mas confesso que mesmo assim apanhou-me desprevenida... Eu velha e com óculos por causa da idade? 

 

Fui busca-los hoje e mostrei-os aos meus meninos. O meu bebé grande olhou-me com alguma tristeza mas acariciou-me suavemente a nuca com um: "Até te ficam bem mamã... Ficas só com um ar um bocadinho mais velha!" Já o meu menino grande olhou seriamente para mim e com revolta protestou: "Não te quero ver com óculos! Não quero que sejas velha!"

 

"Calma! É só para ler!" consegui eu consolar... Estranho como consigo sempre buscar forças para os consolar mesmo quando por dentro eu estou cheia de medo... Será este apenas um simples pontinho no meu ainda longínquo e distante inicio de processo de envelhecimento... Viverei ainda saudável por muitos e muitos anos? Ou será o inicio da minha decadência física? Que virá a seguir? Dores musculares? Surdez? Memória? Dentadura?

 

Bom parece que chegou o momento de aceitar com carinho a sorte de ter apenas um pequeno problema de visão que se resolve com uns óculos de pôr e tirar... e de me dedicar a elaborar uma lista das coisas positivas do envelhecimento para o copo, que momentaneamente meio vazio ficou, meio cheio voltar a ficar!

30
Jan18

Determinismo ou livre arbítrio?


Cristina Ferreira

road.jpg

 

 

 

Aluno do 10º ano, o meu menino grande está fascinado com algumas teorias de filosofia. Ontem, ao rever a matéria, quis partilhar comigo alguns dos pontos mais interessantes sobre as teorias de Livre-arbítrio e Determinismo.

 

Chamou-me ao quarto e eu sentei-me na beira da cama. Leu para mim com a sua voz grave e o seu ar seguro de menino que sabe que já não é menino mas de homenzinho que sabe que ainda não é um homem grande... Quando ele era pequenino, era eu que diariamente lia para ele histórias de adormecer e respondia às suas perguntas, ele já deitado e eu sentada na beira da cama... Ontem invertemos os papeis: eu continuava sentada na beira da cama, mas foi ele quem leu para mim e pacientemente respondeu às minhas dúvidas.

 

Confesso que não consegui perceber tudo o que ele tentou, repetidamente, explicar-me pois distraía-me constantemente a observá-lo... "Está grande, está lindo, está bonito o meu menino!" Eu perdida nos meus devaneios, ele continuava: "determinismo... tudo está pré-determinado... ilusão de liberdade de escolha... " "livre-arbítrio... somos nós que escolhemos, que tomamos as nossas decisões..."

 

Lembrei-me do camião que mudou a minha vida... Sim, a maior viragem da minha vida foi fruto do acaso e sim por causa de, atribuí eu, um camião! Há muitos anos atrás, no início da minha carreira profissional, eu regressava de uns dias de férias passados em Coimbra com uma amiga de infância. Viajava pelo IP3, uma estrada de montanha  repleta de zonas onde era impossível ultrapassar! À minha frente, lenta, muito lentamente arrastava-se um camião...

 

Tinha combinado, antes de regressar a casa, passar também por Viseu. Mas, como estava demasiado cansada, entretanto cancelara. De repente ali, desesperada e sem poder ultrapassar com segurança o pesado camião, ao aproximar-me do cruzamento que, ou me levaria direta para casa ou me levaria para Viseu, impulsivamente pensei: "Basta! Se o camião virar para a Guarda, eu sigo para Viseu!" O camião virou para a Guarda e eu segui para Viseu!

 

Foi nesse dia e em Viseu que eu soube da oferta para a empresa na qual a seguir fui trabalhar. Um ano mais tarde foi aí que conheci aquele que viria a ser o meu marido e o pai dos meus filhos! Foi amor à primeira vista, foi uma daquelas paixões intensas e que ofuscam todos os sentidos! Jovens, casámos completamente apaixonados. Tivemos dois filhos... Mas de origens demasiado diferentes, não soubemos juntos construir... Ao fim de 10 anos, desistimos... 

 

Quantas escolhas o acaso faz por nós sem nos apercebermos? Destino? Determinismo? Quantas mais teorias existem para o explicar? Não sei e sou "pequena" demais para o saber... Mas sei que se nesse dia eu não tivesse ido para Viseu, não teria tido conhecimento daquela vaga, não teria trabalhado naquela empresa, não teria conhecido o meu futuro marido e, acima de tudo, não teria hoje os meus filhos!

 

Teria outros filhos? Não conheceria estes e destes não teria saudades? Verdade... Nunca poderemos saber como teria sido a nossa vida se tivéssemos escolhido outros caminhos...

 

No meu caso, e apesar de muita coisa não ter corrido como eu planeei, ainda bem que eu decidi ir por ali... Mas, e quem sabe, talvez já estivesse apenas e afinal tudo simplesmente determinado...

 

 

29
Jan18

Pensamentos soltos... ou balanço do fim de semana...


Cristina Ferreira

29-01 image.jpg

 

 

 

Planeara fazer limpezas este fim de semana: daquelas limpezas sérias e profundas com direito a lista! O topo da lista estava encabeçado pelo primordial e inadiável objetivo de me desembaraçar dos vestígios de humidade que lentamente teimam em brotar pelos tetos da casa de banho e da varanda! Há quanto tempo andava eu a adiar? Talvez um mês, talvez mais... Mas como era pouquinho, deixava estar... 

 

Sábado à tarde arregacei decididamente as mangas e comecei por atacar furiosamente a varanda! Só parei quando acabei! Orgulhosa, mas de rastos, aterrei no sofá! O plano era parar apenas por uns breves minutos para descansar e continuar logo em seguida, conforme planeado... Mas o sofá levou ao Zapping...  O Zapping levou ao TV Cine Séries e: "Olha a repetição do Game of Thrones!"

 

Nunca vira os episódios iniciais: começara pela 7ª temporada antecedendo-a de um resumo no Youtube para me situar! "Vou só espreitar, não há risco de me interessar!" pensei eu inocentemente pois ficara desiludida com a não ação da 7ª temporada... E cliquei "VER". Temporada 1 - Episódio 1.

 

O tempo voou! "Afinal a série até é boa!" pensei eu no final do episódio.  "Ainda é cedo, vou ver o segundo..." e uma hora mais tarde: "Já agora o terceiro!" Resultado? O teto da casa de banho ficou por limpar e acabei por devorar a totalidade da primeira temporada: os 5 primeiros episódios no sábado e os 5 últimos no domingo! Os segundos acrescidos do 1º da segunda temporada! 

 

Hoje de manhã, veio o vazio...

 

Cansaço? Afinal acabei por dormir tarde duas noites seguidas para ficar em frente à televisão! Sensação de dever não cumprido? Afinal o objetivo para o fim de semana era limpar os tetos e estudar português e, se ainda limpei uma parte do planeado, no português nem sequer toquei! Sensação de tempo perdido? Ou simplesmente o pico de descida após a euforia e o entusiasmo? 

 

Houve uma época em que eu finalmente percebi que quanto mais alto o meu humor subia, mais baixo a seguir descia... Como um gráfico constantemente oscilante, como um pêndulo que eternamente balança: quanto mais alto sobe mais baixo desce! Por mais feliz que em algum momento eu me sentisse, inevitavelmente e sem razão aparente, a seguir vinha o vazio...

 

Tempestade após a bonança? Impermanência? Como se explica o vazio que às vezes espreita? Será que todos o sentem? Como é possível sentir o vazio após um fim de semana tão tranquilo?

 

Na minha juventude, durante anos e anos a fio, eu pensava que eu era uma pessoa melancólica ou simplesmente demasiado sensível. Justificava-o com o facto de ser filha de emigrantes: a consciência do ir e voltar, do despedir e da saudade constante, haviam-me marcado e moldado para sempre... A noção sempre presente de que, crescendo eu numa aldeia do interior, um dia seria a minha vez também de partir... 

 

Será por isso que eu penso demais, que eu observo demais? Hoje percebo que talvez tenha sido sempre o medo do vazio... O medo da tristeza de eu partir e de eu os deixar, o medo de eles partirem e me deixarem... Eles? Os pais, os filhos, a família, os amigos... Os que fazem parte da minha vida e vão ficando ou ficarão para trás...

 

O pai dos meus filhos também está no estrangeiro. Os meus filhos também vão e voltam enquanto eu fico cá ou o pai fica lá... O pai também vem e vai enquanto eles ficam cá... E se um dia os meus filhos também forem contagiados por esta cruel melancolia?...

 

São só as voltas que a vida dá... São só pensamentos soltos que por mim vagueiam... Confusos? Sem nexo? Apenas difíceis de entender? Talvez... Sei lá... 

27
Jan18

Sou uma mãe babada!!!


Cristina Ferreira

justin-peterson-103030.jpg

 

 

Verdade: sou uma mãe babada! Sempre fui... Costumam dizer-me que tenho muita sorte com os meus filhos e é verdade: tenho!

 

Educar não é tarefa fácil e, como talvez a maioria das mães, também eu sinto que cometi muitos erros. No entanto, quando tenho diálogos como o que há pouco tive com o meu menino grande, ele vira costas e eu sorrio orgulhosamente pensando sem qualquer ponta de humildade: "Esta forma de pensar, de planear, de decidir... Fui EU que lhe ensinei!"

 

Não sou uma mãe galinha! Costumo dizer que não estou sempre em cima deles, mas estou um metro atrás sempre atenta e prontinha para os apanhar se houver algum risco de caírem!" Estou atrás, estou ao lado... Acompanho, observo, vigio, analiso... Tudo sempre sem impedir que eles aprendam sozinhos o que devem aprender sozinhos, sem impedir que se testem, sem impedir que cresçam...

 

Quando eram pequeninos, contrariamente aos conselhos que pessoas ao meu redor me davam, nunca os deixei chorar sozinhos! Adormeci-os muitas e muitas vezes ao colo! Agoiravam que eu estava a criar filhos mimados e caprichosos! Mentira! Objetivamente: mentira! Eu criei filhos que sabem que aconteça o que acontecer podem sempre contar comigo...

 

Quando eram pequeninos e colocavam mil e uma questões, sobre tudo e sobre nada, a todas eu respondia... Nunca deixei uma única questão por responder! Nunca respondi com um "Sim, sim!" ou um "Não, não!" sem ouvir com atenção... Sempre que tinham uma dúvida, uma questão, eu tentava responder e repetia até eles perceberem e não restar qualquer hesitação... E eles aprenderam a confiar em mim!

 

Por vezes, no final de um dia de trabalho, era difícil... Mas eu tentava explicar: "Desculpa... Podes esperar só um bocadinho que a mamã está cansada..." Aprenderam que mamã não era incansável e que a mamã às vezes precisava de silêncio... Aprenderam que depois de descansar voltava e lhes dava toda a atenção... Eles aprenderam a respeitar!

 

Nunca dei ordens sem explicar porquê. Nunca usei o "Porque sim!" ou o "Porque eu é que mando!" Explicava porque é que era o mais correto, o mais saudável, o melhor para eles... Se me desafiaram? Claro que sim! Se eu poderia ter sido mais rigorosa? Talvez... Se teria sido melhor para eles? Não sei...

 

Ensinei-lhes o porquê de existirem regras e rotinas pois só assim as podem cumprir de livre vontade. Ensinei-os a pensarem por eles, a ter opinião própria e espírito crítico, a saber observar, avaliar e decidir... Nas tomadas decisão, claro que a última palavra é minha, mas desde sempre debati os mais variados temas com eles...

 

Às vezes é difícil perceber onde está a fronteira, perceber onde está o limite entre o correcto, o excesso e o errado. Sim é difícil educar e impossível não falhar... 

 

Não! Os meus filhos não são dois anjinhos perfeitos! Pelo contrário: com dois anos de diferença de idade entre eles, sempre foram dois reguilas! Mas são os meus reguilas! E eu sou uma mãe babada! Não sei o que o futuro me reserva, mas neste momento sinto que os estou a colocar no bom caminho...

Pág. 1/6

foto do autor

Entre o começo e o fim... Uma nova rotina... Um NOVO BLOG

Calendário

Janeiro 2018

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031