Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Daily Routine by Cristina Ferreira

.

.

Daily Routine by Cristina Ferreira

11
Jan18

Ter um filho é um ato de egoísmo...


Cristina Ferreira

joey-thompson-63368.jpg

 

 

Passei há uns tempos por um blog de uma mulher que se questionava sobre ter ou não ter filhos. Após leitura de alguns dos seus posts percebi que a decisão no casal já estava tomada. Ela ainda tinha algumas dúvidas pois os textos do blog transmitiam como que um pedido de socorro, uma urgente necessidade de aprovação de que a decisão tomada era a mais correta... Apesar de talvez, no fundo do seu coração, ela própria saber que queria mais...

 

Com o marido haviam decidido que não deviam ter filhos por causa da instabilidade e incerteza que hoje em dia no mundo se vive, pois esta leva inevitavelmente à crença de que qualquer nova criança que nasça virá certamente a sofrer...

 

O telefone tocou, eu fechei a janela do blog e não a segui, nem tive tempo para comentar... Quando mais tarde voltei aos blogs já não a consegui encontrar.

 

Identifiquei-me com algumas das suas palavras. Desde que me lembro de mim que sonho ser mãe e ter uma grande família. Cresci com um irmão rapaz e sentia falta de mais companhia. Desde tenra idade que o meu sonho de familia ideal eram 4 filhos! Por diversas razões, fiquei pelos dois, mas como costumo dizer, tenho dois que valem por quatro!

 

Por volta dos meus 20 anos senti, no entanto, aquela mesma preocupação... Todos nós temos momentos em que nos sentimos infelizes, perdidos, desorientados... Senti nessa altura que ter um filho poderia ser um ato de egoísmo... Criar um novo ser apenas para nosso deleite pessoal, sem termos a possibilidade de lhe garantir que será para sempre feliz é egoísmo...

 

Casei aos 25 anos e aos 27 já não consegui continuar a fugir ao chamamento do meu relógio biológico... Tomámos a decisão, fiz os exames necessários, primeira tentativa e no mês seguinte estava grávida! A gravidez correu bem, o meu bebé nasceu perfeito e de um parto sem qualquer complicações. Dois anos depois nova gravidez, mais uma vez sem problemas e mais um bebé saudável!

 

Se me continuei a questionar? Para mim, os meus filhos foram e são a melhor coisa que me aconteceu... Para eles? Sim, até hoje são felizes... Se o vão ser para sempre? Não sei...

 

Mas sei que a responsabilidade da decisão foi minha... Quando um dia os vir sofrer, quiça por causa da instabilidade, por amor, por doença ou por dúvidas existênciais, sim vou certamente sempre lembrar-me que a decisão de os ter foi minha! Fui eu que egoisticamente decidi ter 2 filhos... Sim ter um filho é um verdadeiro ato de egoísmo...

 

10
Jan18

The Gaming Disorder...


Cristina Ferreira

gaming-disorder.jpg

Imagem www.independent.co.uk

  

"Semanalmente, milhares de mesas são vítimas de agressão por parte de jogadores descontrolados! E nenhum tipo de mesa lhes escapa: secretárias, mesas de centro de sala, mesas de jantar, mesas de cozinha e até mesas de cabeceira! Basta para isso estarem à mão, ou ao pé, de receber quando a frustração de perder o jogo chegar!"

 

Este parágrafo não foi obviamente transcrito de nenhum jornal famoso nem escrito por nenhum psiquiatra mundialmente reconhecido! Foi apenas a piada que o meu descendente mais jovem inventou para acalmar a minha preocupação quando há pouco falámos sobre a recém chegada GAMING DISORDER... Mas vamos por partes....

 

Quem sou eu para falar de GAMING? Sou apenas uma mãe e, como provavelmente grande parte das mães da minha faixa etária, não compreendo nada de jogos "modernos"! Aliás as minhas humildes experiências com jogos "modernos" limitam-se ao clássico TETRIS, à loucura pelo Farmville que mais tarde substitui pelo Hay Day e às horas perdidas a jogar Candy Crush... Conheci, alimentei e até joguei alguns jogos do pequeno POU... E no verão passado joguei o Palavra Guru!

 

Tudo joguinhos saudáveis: eram jogos "lentos" e sem pressão, sem qualquer competição e a interação on-line, quando existia, acabava por ser de cooperação. Tudo saudável, certo? Atire a primeira pedra quem nunca jogou!

 

Mas há os outros jogos: os que eu não conheço, os que mesmo que eu conhecesse seria incapaz de jogar... O GAMING é para mim um mundo à parte! E não falo só dos jogos mas de tudo o que gira à volta do mundo GAMING: desde a linguagem específica altamente estruturada que nem me atrevo a utilizar (apesar de muitas expressões já me terem sido explicadas dezenas e dezenas de vezes), à enormíssima panóplia de acessórios disponíveis nas lojas de tecnologia.

 

O GAMING é certamente um negócio altamente lucrativo! A primeira vez que numa Media Market me aproximei da secção GAMING, veio-me à cabeça a expressão Killer d'adolescents! À disposição das carteiras mais recheadas encontram-se em exposição vários artigos de estética agressiva e colorida: sofisticados computadores GAMING, assustadores ratos GAMING, luminosos teclados GAMING, potentes head phones GAMING, e, entre outros, as minhas prediletas: as fabulosas cadeiras GAMING! Cadeiras cujo design altamente robusto e agressivo parecem saídas de um filme de ficção cientifica e são certamente acessório de topo para completar a decoração de qualquer quarto de adolescente! Tudo idealizado ao pormenor para criar um universo onde ficar presos, com muito glamour e estilo, o dia inteiro!

 

Se antigamente a preocupação dos pais eram os filhos adolescentes que queriam sair de casa e tranquilos ficavam os pais cujos filhos em casa ficavam, nos dias de hoje um adolescente em casa é muitas vezes sinónimo de adolescente agarrado ao computador, ao tablet ou ao telemóvel! GAMING...

 

2018 começou com o reconhecimento pela World Health Organisation da GAMING DISORDER: transtorno mental causado pelo vício em vídeo-jogos. Fiz uma pesquisa para perceber mais um pouco... E, por exemplo, neste artigo Gaming addiction classified as disorder by WHO a BBC ainda realça: "According to an Oxford University study, boys are more likely to spend time gaming than girls."  

 

Sendo mãe de dois rapazes adolescentes que sempre deixei jogar, confesso que fiquei preocupada... Deixei jogar não só porque parecia inofensivo mas, e reconheço, porque assim eles estavam ocupados e eu tinha tempo para fazer as minhas coisas...Mea culpa... 

 

Nós, mães e pais do século XXI, estávamos preparados para alertar para aquilo que achávamos ser os perigos na nossa adolescência: álcool, tabaco, drogas, cuidados a ter ao iniciar a vida sexual. Não existiam as redes sociais, mas é puro bom senso saber alertar sobre perfis falsos... Agora a GAMING DISORDER? Dá que pensar... 

 

 

04
Jan18

New year, new life? Bullshit!


Cristina Ferreira

 

new year!.jpg

 

 

Não fiz nada na Passagem de Ano! Antes da meia noite já eu estava a dormitar no sofá em frente à televisão... Acordei em sobressalto com o estrondo dos foguetes que apregoavam a chegada do Novo Ano! Limitei-me a olhar para o relógio e a pensar: "Ah ufff! Já é meia-noite! Já posso ir dormir!" E fui para a cama...

 

Às vezes pergunto-me se me deveria divertir mais... Deveria "DIVERTIR-ME MAIS!" ser uma das minhas resoluções de Ano Novo? Se me divertisse mais, a minha vida seria mais vivida? Na verdade a única coisa que a minha vida me pede é rotina! Gosto de rotinas. A única resolução que na minha mente ecoava ao entrar no Ano Novo era "VOLTAR À ROTINA!": deixar o mais rapidamente possível o Natal e o Réveillon para trás! 

 

E se vivêssemos numa ilha deserta, cada um isolado na sua? Ou se vivêssemos todos juntos mas sem imposições sociais ou rituais? Ou se, especificamente, vivêssemos sem acesso a qualquer tipo de comparações interpessoais? E se nunca ninguém tivesse inventado festejar o Ano Novo com pompa e circunstância? Será que eu sentiria esta mesma obrigação, tristeza, desilusão, frustração... Nem sei na verdade como a hei-de batizar... Sentiria eu isto que sinto por não ter feito nada de "verdadeiramente especial"?

 

Estarei a ficar velha? Se sim, aquele "velha" que acumula sabedoria? Ou aquele "velha" que se torna chata e rabugenta?  

 

Admiro as pessoas que determinadamente ainda fazem listas de resoluções de Ano Novo. Confesso que quando era "nova" também as fazia: elaborava cuidadosa e afincadamente a minha extensa lista e acabava por não cumprir nenhuma das resoluções a que ilusoriamente resolvia empenhadamente dedicar-me a partir do Ano Novo! Até porque se há algo que é necessário corrigir, mudar ou alterar, se é necessário criar uma nova rotina, não é necessário esperar. Esperar pelo Novo Ano é muitas vezes apenas iludir e adiar... E adiar é procrastinar... E procrastinar é muitas vezes acabar por nunca fazer!

 

A necessidade de mudança, de aperfeiçoamento e de auto-correção, faz parte de nós, do nosso dia a dia. A nossa lista de resoluções deve ser diária e não anual... Até porque o "próximo ano" é só o "próximo dia" e o Ano Novo é só o dia seguinte...

 

O ser humano é um animal de hábitos e os hábitos são difíceis de mudar. Quanto maior for a lista, maior a mudança exigida e maior provavelmente a ilusão e consequente desilusão... Ajuda termos um marco, uma data marcada? Talvez... Mas acima de tudo o importante é aceitarmo-nos, conhecermos as nossas necessidades e os nossos limites, e ir mudando gradualmente aquilo que é preciso mudar. Mudar quando sentimos o alerta, quando soa o sinal: quando o corpo ou quando a mente nos pede. Mudar já, mudar agora! Viver dia após dia e parar de esperar...

 

E, já agora, com ou sem resoluções, a todos um bom ano!!! 

 

03
Jan18

Hoje? Regresso e euforia matinal!


Cristina Ferreira

driving car.jpg

 

 

Hoje o dia começou com uma louca euforia matinal devido ao, por mim tão esperado, regresso à rotina! Sim: EUFORIA matinal!! Sim: tão ESPERADO regresso à rotina!! Finalmente acabaram as férias escolares e os meus meninos voltaram!

 

Fui buscá-los ontem ao aeroporto. Aprendi a detestar aeroportos, se é que isso se pode aprender, se é que se pode detestar aeroportos! Aquela multidão eufórica a partir ou a chegar e eu ali, algures pelo meio, sozinha... A sentir-me triste e abandonada quando os vou levar... Ansiosa e com receio quando os vou buscar...

 

Às vezes pergunto-me se as mães não divorciadas, aquelas "felizardas" que têm a sorte de ter os filhos com elas o ano inteiro, se questionam tanto como uma mãe divorciada... Apesar de eu saber que o risco é mínimo, aliás na verdade e no nosso caso, totalmente nulo, pergunto-me sempre, quando estão fora e antes de regressarem, se não me irão desta vez pedir para mudar permanentemente para casa do pai...

 

Quando chego ao aeroporto, fico ali parada, qual barata tonta, junto à Saída das CHEGADASbalançando o meu olhar entre o placard e multidão que vai chegando...

 

Landed... O avião dos meus meninos aterrou às 13h33... Quase 10 minutos de atraso... Examino os rostos que vão saindo procurando as suas feições familiares... O meu coração de mãe acelera... E se desta vez me olharem fria e inexpressivamente? E se for desta vez?... Verdade que eu falei com eles todos os dias... Mas foram sempre tão curtas conversas e em tão breves minutos pois estavam sempre tão ocupados!  E se desta vez não trouxerem carinho nem afeição no olhar? 

 

Não, isso nunca aconteceu e obviamente ontem também não! Recebi os sorrisos carinhosos e os abraços calorosos de sempre! Na viagem de volta, narraram aventuras das férias e ao chegar a casa voltaram para a rotina habitual como se nada tivesse acontecido... Como se não tivessem partido... Como se não tivessem voltado...

 

De onde vem o meu medo afinal? Da consciência de que tudo tem um fim?... Das histórias que ouço sobre divergências entre pais divorciados que afinal em nada se assemelham com o nosso caso? Ou simplesmente do sentimento de que quando vão para tem não só o Natal e o Réveillon, mas a vida que eu sempre sonhei para eles... mas sem mim...

 

17
Dez17

Love & Me...


Cristina Ferreira

17-12.jpg

 

Tenho 44 anos e obviamente já não acredito no amor! Love sucks! Love fails and just does not exist! Os homens usam as mulheres, as mulheres usam os homens... E quando já não servem deitam fora! Caso encerrado!

 

Encontrei o verdadeiro amor na maternidade: um bebé, um filho, aceita-nos incondicionalmente! Gorda, feia, despenteada, com borbulhas, de pijama ou camisola rafada! A mamã é a mamã! A mamã é o centro do mundo! A mamã é especial e ponto final! Especial porque está lá, especial pela companhia, pelas conversas, pelo carinho, pelo miminho... Sim isso é amor! Amor verdadeiro, sem condições nem imposições... Eu amo, tu amas... Eu estou aqui para ti e tu estás aí para mim... Amor de verdade que preenche e vale a pena...

 

Mas os filhos vão crescendo... E ou se prendem ou se libertam... E o verdadeiro amor liberta, certo? Fica o medo, o vazio, a solidão, o incerto... Mas eu deixo-os voar... A muito custo, digo que sim quando me apetece dizer que não... "Sim! Claro... vai!" quando me apetece gritar bem alto: "Não! Por favor fica! Não cresças e não me abandones!"

 

Naquela fase da minha vida em que eu já não acreditava em nada, apareceu o meu M. ... O meu M. é diferente dos demais. Não é um príncipe encantado e não tenta transformar-me numa princesa.... O meu M. acompanha-me e ajuda-me simplesmente a voltar a ser eu... Nas "horas vagas", em que eu já não posso, por culpa do auto-afastamento das outras duas partes interessadas neste meu contrato de maternidade, ser a mamã a tempo inteiro, estou a reaprender a ser a Cristina...

 

A Cristina desapareceu quando a mamã apareceu e eu já nem me lembrava que ela existia. O meu M. ajudou-me a reencontrá-la... Não, não é que tenhamos encontrado o amor romântico do "E viveram felizes para sempre!" Não, pelo contrário! Com o meu M. aprendemos, passo a passo, dia após dia, que podem coexistir dois corpos no mesmo espaço sem nenhum dos dois sufocar... Aprendemos que discutir pode ser apenas conversar, readaptar, ceder, aceitar... e acima de tudo avançar! Avançar e lentamente recomeçar...

 

Claro que fico sempre desconfiada e com um pé atrás! É dificil voltar a confiar e acreditar que poderá haver vida para lá de um ninho de mamã vazio... Mas o meu M. veio para me mostrar que pelo menos existe um "talvez"... e que o respeito e o companheirismo existem e na verdade só precisam de um sofá para se enroscar e, no inverno, se possível, também de uma mantinha!

 

15
Dez17

Negociar com o TEMPO em 4 passos... e com sucesso!


Cristina Ferreira

superthumb (1).jpg

 

 

Primeiro tentei conversar com o TEMPO! Sussurrei-lhe pedindo-lhe com carinho para abrandar um bocadinho... Pû-lo a par das minhas ausências profissionais e pedi-lhe: "Por favor deixa-me aproveitar mais um bocadinho os colinhos, as canções de embalar e as histórias ao deitar..." Mas o TEMPO ignorou-me e não respondeu! Quando dei por ele, os meus meninos tinham crescido mais um pouco e já estavam na escola primária! Se calhar eu falara muito baixinho e o TEMPO não ouviu...

 

Então tentei a chantagem emocional: já tinha suspendido todas as minhas atividades pessoais e não lhe pedi tempo para mim... Todo o tempo fora do trabalho pedi-lho para os meus meninos... Talvez assim, mostrando-lhe apenas o meu banal quotidiano de mãe trabalhadora, ele abrandasse... Mas ele continuou a ignorar-me e os meus meninos foram para o ciclo! Provavelmente, o TEMPO não gosta de ser chantageado...

 

Não desisti e tentei suborná-lo! Com os dois a caminho da secundária, a entrar na adolescência e a distanciarem-se gradualmente de mim, lancei ao TEMPO uma última cartada: "Tempo! Eu agora fico mais por casa, mudo de vida! Abranda agora por favor, deixa que eles voltem só mais um pouco para mim..." O TEMPO não me ouviu e não abrandou, mas é verdade que, mais por casa, recuperei-os um bocadinho...

 

Por fim zanguei-me com o TEMPO pois eles continuam a crescer! "Ó TEMPO! Não me avisaste que a infância ia durar tão pouco! E agora? Tenho tanto tempo para mim... Vou ao ginásio, faço yoga, meditação e tenho muito tempo para ler! Quero voltar a estudar e até tenho tempo para escrever um blog!"

 

Foi então que o TEMPO finalmente respondeu:  "Ah! Finalmente percebeste! Eles cresceram e continuam a crescer saudáveis e equilibrados graças a ti! Até aqui, tu cumpriste a tua missão de mãe... Agora para a completares com sabedoria, terás de lhes dar espaço e libertá-los! Eu vou continuar a passar... Tu não me podes parar! Qualquer dia eles vão para a universidade, é verdade que vais ter sempre saudades! Mas lentamente vais recomeçar..."

 

 

 

 

 

 

11
Dez17

A Ana e o verdadeiro valor das coisas...


Cristina Ferreira

rhendi-rukmana-193672.jpg

 

 

Ontem a tempestade Ana também passou por aqui... No final do dia, o vento sibilante uivava e soprava ameaçador fazendo a chuva embater estrondosamente contra as janelas...  Cenário digno de um filme de terror, mais digno e assutador se tornou quando a luz faltou! Antes de acabar o jantar, ficámos às escuras...

 

Na aldeia, quando eu era adolescente, tal cenário era habitual: uma chuvada e um vento mais forte eram inevitavelmente acompanhados de um medonho apagão! Apagão esse que se à noite começava, pela noite dentro se prolongava... E eu, obrigada a andar pela casa de vela na mão, deslocava-me apressadamente aterrorizada pela companhia das sombras que, sorrateiramente passeavam pelas paredes, quais monstros que pela casa escura me perseguiam!

 

Hoje em dia, é muito raro faltar a luz, mas a Ana fez das suas e cá em casa o pânico instalou-se!

" - E agora não temos lanternas! Será que temos fósforos!? Onde estão as velas?!"

" - Oh! Se a luz não voltar, como vamos ligar o micro-ondas ou a placa de indução? E se amanhã o portão da garagem bloquear?"

" - E o telemóvel, mamã? E o i-pad? Se ficarem sem bateria? Oh bolas não há net!!!"

 

Preocupações bem diferentes das de há 30 anos atrás!

 

Volvida nem meia hora, tranquilamente, a luz voltou ... Mas enquanto voltava e não, aproveitámos a escuridão para tagarelar observando os luxos que hoje em dia temos e já nem notamos ou só notamos quando nos falham... A luz, a água, os electrodomésticos, o carro... a TV e a net!

 

Quando a luz voltou, a nossa rotina noturna continuou calma e tranquila... Mais tarde, antes de ao som da chuva adormecer, eu dei por mim a agradecer as pequenas coisas e a grande sorte que eu tenho... e a pensar em quantas vezes também só nos apercebemos do que temos após o perder... Um familiar presente, um relacionamento, uma amizade... Pensei não nas coisas, mas nas pessoas... Naquelas pessoas que simplesmente por estarmos tão acostumados a ter do nosso lado, a presença por vezes já não valorizamos... 

07
Dez17

"Bora lá" falar a sério de prendas de Natal!


Cristina Ferreira

Natal.jpg

 

 

É triste ouvir cada vez mais dizer que "antigamente é que havia Natal" e que agora se "perdeu o espírito natalício e a magia do Natal". Será conversa de adultos? Será que a magia do Natal é algo que só existe na infância? Ou será que vale a pena olharmos um pouco mais à nossa volta e tentar perceber o que realmente estará a acontecer...

 

A verdadeira magia do Natal não está no "TER", mas sim no "NÃO TER"! 

 

Tenho 44 anos. Quando eu era criança, os meus pais compravam apenas três prendas: uma para mim, uma para o meu irmão e outra para a minha prima. Festejávamos apenas com os meus tios que compravam, também eles, apenas três prendas. Cada criança recebia duas prendas.

 

Esperávamos por essas prendas o ano inteiro! Não havia promoções mensais e muito menos cedências constantes aos nossos pedidos de compra e caprichos! Aprendíamos a esperar e saboreávamos a espera... Existia magia na contagem decrescente dos dias e na expectativa da descoberta. 

 

A magia prolongava-se depois do Natal: a boneca recebida era companhia para o ano inteiro, o carrinho recebido rolava até partir!

 

No mundo de hoje onde tudo é fácil de alcançar, nada se valoriza! Posso partilhar os primeiros Natais dos meus filhos... Como todos os pais da nossa geração, também nós padecíamos de necessidades consumistas exacerbadas: oferecíamos mais de uma dezena de prendas a cada um dos nossos meninos! Prendas que eles abriam em 5 minutos como robots numa linha de montagem: abre, espreita, tira da caixa, olha, vira, revira e põe de lado! Muitas vezes acabavam a noite a brincar com as caixas vazias ou com os laços dos embrulhos!

 

Esperar até ao Natal por uma prenda? Nem pensar! Quantos brinquedos, mimadamente solicitados, não íamos comprando ao longo do ano? 

 

E os adultos? Com promoções constantes o ano inteiro, quem espera pelo Natal? Ele é Black Friday, ele é Ciber Monday, ele é descontos antes dos Saldos, ele é campanhas de Ofertas de IVA ou 50%!

 

E por falar em 50%, lembro-me da primeira campanha de brinquedos de Natal com 50% do Continente, há talvez uns 10 anos atrás, numa segunda quinzena de dezembro... Nos anos seguintes assistimos, por parte das cadeias de hipermercados, a um constante incentivar para antecipar a compra das prendas de Natal. As campanhas de brinquedos que começavam em novembro, agora começam em final de outubro! Claro que em tempos de crise, não se pode sequer hesitar e tem de se aproveitar... Mas para onde vai a magia de ouvir os pedidos, a magia de procurar na expectativa dos olhos das crianças a prenda ideal? Perdeu-se a magia das prendas de ultima hora, do esperar pelas dicas e sugestões, do esperar para ponderar e decidir! Decidimos prendas de Natal em outubro porque pode não voltar outra promoção... E ficamos com elas guardadas, à espera, até ao Natal!

 

"Quem espera desespera!" já dizia o ditado. Mas neste caso não se desespera! Com tanta oferta, ficamos apenas aqui, qual rena fofinha de peluche, sentados a ver desaparecer a magia das prendas de Natal...